TOP 50 | As melhores faixas do K-Pop em 2017 (25ª até 11ª)

Metade das músicas já foram, é hora daquela parte em tops de melhores do ano da blogosfera fundo de quintal onde aparecem as pérolas, os hinos, as fadas de cristal que são emblemáticas, quase clássicos contemporâneos, mas que, por pura subjetividade, acabaram não ficando entre as 10 mais.

De qualquer forma, considerem que, do 14 pra cima, em algum momento, todas já foram #1 de 2017. Então, ter ou não entrado no top 10 é pura bobagem minha.

E aí, quem vai morrer na praia? Vamos descobrir…

25) GIRLS’ GENERATION – SWEET TALK

“Sweet Talk” é a melhor do LP do Girls’ Generation. Além disso, é o momento mais descontraído de todo o trabalho, juntando metais com Hip Hop, gritaria, palmas, um refrão sing-along divertidíssimo e uma bridge no teclado que é o prenúncio de… Mais gritaria, palmas, refrão para cantar junto etc. etc. etc. Em um ano onde pouca gente apostou nesses números midtempos sensuais com sax, teria sido legal para as soshi utilizarem a delícia como lead single, com um MV mais maduro e bem trabalhado. Mas olha, isso sou só eu sendo chato, pois “Holiday” toda aegyo também prestou. É que “Sweet Talk” é apenas… Melhor…

– x –

24) AKMU – PLAY UGLY

segundo álbum do AKMU é tão bom e eu estou meio que abismado por perceber que não inclui quase nada dele aqui. Dentre as tantas faixas ótimas e viciantes contidas nele, a que se mostrou minha favorita com o passar do tempo (tem quase um ano de lançamento) foi o hino da autoestima “Play Ugly”. Eu adoro como isso aqui brinca com as regras de formato da música, sendo explosiva nos versos, com uma pegada Funk bem visível, e ligeiramente minimalista do refrão – contrário do normal. A letra, um dedo do meio para todo mundo que acha que pode diminuir as pessoas chamando elas de feias. Um single bem melhor do que a baladinha lá escolhida para divulgar o álbum. Ao menos, a YG parece ter se tocado disso, já que a utilizaram um tempo depois como follow-up, dando uma sobrevida pro LP…

– x –

23) KARD – DON’T RECALL

Huh, e lá vamos nós. Todo ano aparece uma música que eu juro que vai ser a minha favorita dele. Eu escuto ela várias e várias vezes por muitos meses e, uou, essa certeza vai crescendo cada vez mais. Até que deixa de ser, sem mais nem menos. Parecido com o que ocorreu com Galaxy, do Ladies’ Code, ano passado, jurava que “Don’t Recall” pegaria o #1 lugar desse top. No entanto, em sei lá qual momento dos últimos meses, parte desse encanto se foi, desgastou. Ainda é a minha música favorita do KARD, ainda é uma das mais legais de 2017 (ou não estaria aqui tão próxima do top 10), mas não é mais a melhor de todo ele. Ao menos, pra mim. Vai entender…

– x –

22) SEOHYUN – BAD LOVE

O mini da Seohyun é tão redondinho, tão coerente na proposta em vir com isso de R&B/Pop dos anos 2000 e, principalmente, tão bom, que, novamente, está me dando uma culpa de não ter incluído mais algumas faixas nessa lista. De qualquer forma, “Bad Love” é a melhor dele (e a melhor SNSD related desse ano) e encapsula legal o que a Seohyun entregou em seu debut. O delivery vocal dela está tão bom, tão sexy, toda a música é bem sensual, com os metais e a bateria chamando bastante atenção. É algo que estaria em casa em qualquer álbum dos artistas que trabalharam com o Timbaland na década passada. Ficaria legal também como tema de algum filme noir. Devia ter sido single

– x –

21) PRISTIN – WE LIKE

Que delíciaaaaaaaaaarrrrggh! Uma bobagem maravilhosa, tosca, divertida, zoada, idiota, berrante, chicletuda, despretensiosa. Isso é tão K-Pop. Esse foi só o segundo release do Pristin, mas já consigo enxergar o grupo como um dos poucos do mercado atual a apostar num Pop onde o que é mais importante é, de fato, DIVERTIR. “We Like” é “apenas” isso aí, diversão, entretenimento. Funciona pra caralho! O MV ~E-Girls~ também funciona pra caralho, Pinky e Yuha gostosas também funcionam pra caralho, Nayoung cara de pudim também funciona pra caralho. Pristin funciona pra caralho! E boa sorte tentando tirar os “I like, duh duh duh duh duh duh, u like, duh duh duh duh duh duh, we like, duh duh duh duh duh duh, duh duh duuuuh duuuh duuh duh” da cabeça. Spoiler: é impossível…

– x –

20) HEIZE – DON’T KNOW YOU

Ainda outro hino. “Don’t Know You” não é o tipo de faixa que entrega ápices espetaculosos, não é para isso que ela foi feita. Há toda uma construção mais soulful, focando mais no gingado do instrumental em vez de montar uma crescente muito aparente. A ideia é brincar com os elementos nesse pouco espaço de variação, misturando os sintetizadores eletrônicos, instrumentos de verdade e o vocal delicioso da Heize, que funciona tanto de maneira cantada quanto nos momentos de rap. A interpretação passional dela é boa demais. E para esse ideal, a música rola muito bem. Pra mim, que adoro esse estilo, mais ainda. Que bom que o K-Pop tem espaço para farofas, baladas, números mais alternativos e tudo mais que os artistas e idols se permitirem fazer…

– x –

19) LOVELYZ – WOW!

Engraçado que, em fevereiro, no lançamento, eu tinha achado “WoW!” bem qualquer coisa, mas acabou que, no fim, coloquei ela na playlist do meu celular e ela não saiu de lá até agora. E, porra, que música foda! Os sintetizadores já no início mostram o clima fun que vai imperar em toda ela, com tal ideia sendo ampliada na participação de acordes de guitarra bem marcados, que lhe dão bastante pulso. Os versos são curtos e bolados de maneira a grudarem na cabeça, o refrão é bastante melódico e elas balbuciando “j-j-j-j-pop-j-pop, gay-pop-gay-pop, mula mula mulaah“, lá por 1 min e 50, antes de chegar a bridge, é a cereja do bolo. Lovelyz >>>>>> outros grupos white aegyo retardados. A propósito, esse aqui foi o meu terceiro videoclipe coreano favorito de 2017. O segundo está ainda nesse post, em 13º lugar, e o primeiro só entre as 10 mais…

– x –

18) JUNIEL – LAST CARNIVAL

Até esse ano eu não tinha a mais remota ideia de quem era a Juniel. Quando soube que era da FNC, cheguei até a cogitar ser a ex-baterista do falecido AOA, o que seria sensacional por si só. No entanto, coisas como “Last Carnival” não precisam de apresentação não, elas só acontecem, sem qualquer expectativa, como um terremoto nas nossas cabeças. Sério, isso aqui é muito bom, dentro ou fora das delimitações daquilo de “faixa de solista hipster coreana”. Tem algo de ir crescendo no instrumental, junto com a voz bêbada dela… Escutem logo. Acho que ouvi isso todo dia desde que descobri sua existência…

– x –

17) IU – JAM JAM

“Jam Jam” é uma surpresa no repertório da IU. To tentando pescar pela memória, mas não consigo pensar em nada nessa linha já feito por ela em sua discografia. É bem Pop, com uns elementos de disco e toda uma descontração, digamos, “errada” instrumentalmente. Há uma certa sujeira sônica em “Jam Jam” que difere do verniz perfeccionista associado à imagem da IU. E isso é tão legal, pois é algo que eu imaginaria vindo da Daoko, sendo que a Daoko lança trecos tipo isso isso. Logo, viva IU. Pena não ter sido esse o lead single do fraquíssimo “Palete”, seria uma mudança de chave interessante. Deve ter rolado um medinho da gravadora, pois o clipe já tava até gravado. Btw, acho que esse será o #1 lugar dos tops do Dougie e do Asian Mixtape. Talvez devesse estar mais acima nesse ranking, mas “B-Day”, da Lucy, numa competição totalmente dadaísta criada em minha cabeça por motivo algum ao longo do ano, acabou pescando mais a minha preferência…

– x –

16) LUCY – B-DAY (ft. KISUM)

“B-Day” é uma música de drag tão boa. E por “música de drag“, me refiro àquele house noventista glamuroso, safado, arrogante, maldoso, sonoramente imundo, mas ideal para bater cabelo a noite inteira. É meio Sissy That Walk, meio The Realness, meio Secret, meio Swish Swish, meio Giant In My Heart. Se fosse no Japão, seria gravada pelo Wednesday Campanella. Se fosse nos EUA, pela Azealia Banks. Tudo nela funciona, até o break instrumental para a Kisum mandar umas rimas aleatórias no mesmo tempo pré-estabelecido. O refrão é MUITO grudento, com os “to me… happy birthday to me, to you, everybody” invadindo a cabeça de maneira a serem reproduzidos involuntariamente. Todo o delivery vocal dela está interessante, sem gritos, sem floreamentos desnecessários. Vão dar view para “B-Day”, gente, é bizarro que o clipe mal tenha passado de 50 mil acessos…

– x –

15) CRUSH – OUTSIDE (ft. BEENZINO)

Um monte de gente esse ano apostou em sonoridades e estéticas visuais que celebrassem a liberdade do verão, com calor, férias, maresia e outros ícones do tipo. De tudo o que escutei nessa vibe, o melhor a transpor esses sentimentos para uma música/MV foi o Crush. “Outside” é tão, tão, TÃO refrescante. Ela é gostosa, sensual, divertida. O refrão é uma coisa de louco, essas inserções de Hip Hop dentro do House são tão boas. E o videoclipe, nossa, isso sim é um videoclipe. Só o Digipedi mesmo ilustrar isso tudo com o cachorro psicopata dele virando um cara bombado e aproveitando uma viagem enquanto o Crush fica preso dentro da mala. Meu treco favorito de um solista masculino em 2017…

– x –

14) JINSOUL – SINGING IN THE RAIN

Estamos nos aproximando do top 10, então é hora das melhores entre as melhores do Loona darem as caras. Dito isso, é hora da JinSoul gritar “siiiingiiiing iiiin theeee raaaaaaiiiiin” enquanto vamos rebolando de ladinho bem piranhas devagar até o chão. Todo mundo ficou meio receoso com o caminho que o Loona tomaria pós-game changing da Kim Lip e “Singing In The Rain”, uma farofa maravilhosa numa proposta ainda mais eletrônica com um refrão Future Bass maravilhoso, apenas confirmou o lado mais ousado do grupo crescendo a cada novo release. É tão difícil, no K-Pop, esse tipo de troço funcionar tão bem quanto funcionou aqui. Enfim, é outra música que devo ter escutado todo santo dia desde o lançamento, que ainda me provoca arrepios e tudo mais. Um clássico de 2017…

– x –

13) TRIPLE H – 365 FRESH

Aaaaaaaaarrrrghhhh, como eu amo essa aqui!  “365 Fresh” é uma ode maravilhosa e imunda aos anos 70 em vários sentidos. Da sonoridade funky ao estilo de vídeo emulando o cinema daquela época, o Triple H acertou tanto nisso. A música é tão maravilhosa, tão divertida, tem um replay factor tão alto. E o legal é que ela vai a fundo nessa proposta, com um instrumental todo rico, recheado de balanço e de melodia catchy, e uma que letra fala sobre buscar novidades na âmbito sentimental/sexual, sair do feijão com arroz diário para um tipo de relação menos pretensiosa, menos cercada de regras, mais aberta a provocações. Poderia facilmente ser uma produção assinada pelo Mark Ronson. A diferença de vozes dos três é super interessante ao resultado final. E o MV, ooh, o MV. É todo tão pra baixo, tão deplorável, contrastando tanto com instrumental pra cima, grudento. É o melhor treco que a HyunA soltou esse ano e a melhor coisa já feita pelos caras do Pentagon desde sempre…

– x –

12) DREAMCATCHER – FLY HIGH

2017 não foi um ano particularmente bom para animesongs num geral. Essa costuma ser uma fatia da música Pop japonesa que sempre rende uma boa dúzia de lançamentos por ano, mas foram poucos os que realmente me agradaram e, vá lá, atenderam à uma ~listagem~ de elementos que uma boa OST de anime deve ter. Ela precisa exalar um sentimentalismo piegas exageradíssimo e quase cafona, ela precisa ser instrumentalmente intensa e, principalmente, deve grudar na cabeça que nem chiclete. Bom… “Fly High” tem tudo isso aí. Então, podemos dizer que, mesmo sem ter sido usada como tema de alguma animação nipônica, o Dreamcatcher teve a melhor animesong de 2017? Na minha opinião, sim. A HappyFace bem que poderia debutar elas no Japão e inseri-las nesse nicho de mercado, aposto que os otakus abraçariam as sete filhas de satã com bastante amor suado e problemas sociais. Eu quase consigo imaginar a voz irritante da LiSA cantando por cima disso aí para servir de tema para algum Sword Art Online…

– x –

11) YEOJIN – KISS LATER

PIRRALHA RIDÍCULA QUE BEIJA SAPOS!!!1  Bicho, essa música aqui, essa merda aqui, deve ter sido um dos troços que eu mais curti pela ironia nos últimos anos. É óbvio que a piada de spamar essa bosta em cada post do Loona para forçar minha fanfic goela abaixo contribuiu para que eu mesmo caísse nessa armadilha e acabasse gostando honestamente do solo da YeoJin, mas é necessário admitir (ou sou eu bolando uma autojustificativa?) que “Kiss Later” é um Pop gostosinho com bastante elementos de Doo-Wop, montado de maneira bem dramática para que o resultado final soe como um desses números musicais de filmes da Disney. A voz esganiçada da pirralha casou legal com a proposta e o resultado não poderia ser melhor. “A Princesa e o Sapo” me foi a primeira referência sonora, que acabou se fortalecendo a partir do videoclipe. E a real é que eu só não coloquei ela no top 10 mesmo porque já tinham outras 3 do Loona nele, mas fica aí esse icônico 11º lugar para o meme desse ano aqui do Esquadrão Lunático…

– x –

[50-38] [37-26]

[10-01]

 
E com isso, só restam as 10 mais. Já adianto que não rola nenhuma surpresa muito absurda não. Todas as músicas da parte final foram estupidamente exaltadas por mim durante meses e… Huh, na verdade, duas delas eu achei meio bostas quando saíram, mas acabei me rendendo já dias depois. Sérião, uma dessa dupla eu fiz até um post de título super agressivo e, hoje, não consigo ficar um dia sequer sem escutá-la. Karma is not a liar

Spoilers: 2 (!!!) de boygroups, 3 de solistas e 5 de girlgroups. Quem acertar ganha um sorvete de cereja. -q

Feliz natal! *0*

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s