TOP 50 | As melhores faixas do Asian Pop em 2011 (10ª até 01ª)

2011 é considerado por muitos de vocês o melhor ano do Pop asiático nessa década. Levando em conta a quantidade de lançamentos, não concordo 100%. Outros que vieram depois apresentaram uma variedade maior de coisas bacanas para alimentar a minha ânsia por bops internacionais divertidos e grudentos. No entanto, é inegável que essa “era de ouro” foi responsável por soltar uma porção de números que, de maneira sonora e visual, acabariam se tornando clássicos com o passar do tempo.

Demorei bastante para, em minha cabeça, decidir quais faixas habitariam esse top 10, só chegando mesmo numa lista final quando tomei esse conceito de “clássico” como parâmetro pessoal. Então, abaixo, estão os meus grandes clássicos de 2011, que foram incríveis em tal momento por diferentes motivos (sdds adolescência), ou que ocuparam esse posto crescendo conforme os anos passaram.

Talvez tais escolhas não batam com o que é senso comum ao nicho, mas não é como se vocês que estão aqui não soubessem que esse blog como um todo é baseado no meu gosto e não em charts ou trecos do tipo, certo? Então, vamos lá… :V

A chegada da Kyary Pamyu Pamyu no cenário Pop nipônico foi recebida pelo nicho de uma maneira tão engraçada – em retrospecto, claro. À época, foi bem tosco acompanhar um monte de otakus fedorentos tentando pagar de superior por preferirem sonoridades rockish (comumente utilizadas em OSTs de animes shounens) às bobagens que se levavam menos a sério feitas por j-divas. Então, quando “PonPonPon” viralizou fora do meio, com boa parte dessa audiência desacostumada com bizarrices japas, de fato, entendendo que aquilo era para ser só curtido em vez de criticado, um nó se criou na mente dos otakus conservadores, frequentemente afirmando que o Japão não era só isso (afinal, existia Naruto!!!) e blá blá blá. Hilário constatar que a Kyary, em tal momento, foi abraçada por não-fãs de trecos orientais e atacada por parte dos que, em tese, deveriam “defendê-la”. Enfim, de minha parte, sempre adorei isso aqui. Ficou um tempão como despertador do meu celular e segue forte até hoje como um dos trecos que mais escuto no J-Pop.

– x –

Quando penso em “Be Mine”, não penso em uma “música de boygroup“, sim uma… Música. Atemporal, divertida, interessante, intensa, emocionante, poderosa. É uma investida Pop deliciosa, sem tirar nem por. Para mim, um dos melhores já lançados por atos masculinos sul-coreanos em todos os tempos (acho que tem só umas outras duas músicas na frente). O provável motivo para isso é o fato de o Sweetune, já daí, ter isso de criar músicas que não carregam maneirismos irritantes do que é adequado para meninos ou meninas. Consigo ouvir “Be Mine” e imaginá-la interpretada pelo KARA, pelo 9MUSES ou pelo Rainbow, assim como consigo fitar o Infinite performando alguns dos sucessos desses três grupos sem qualquer diferença significativa nos instrumentais. Queria que mais boygroups relevantes ousassem assim, se permitissem ir além das expectativas. A cena masculina atual está precisando de uma chacoalhada.

– x –

“Hot Summer” é um dos maiores jams do F(x). Temos aqui um número Pop perfeito, contagiante, vibrante, envolvente, forte, impactante. Eu poderia gastar parágrafos apenas com adjetivos e seria pouco. O refrão disso é absurdo demais, parece magia, feito pra grudar na cabeça. Como vocês jovens falam, é pop perfect. E ainda rola todo o gimick de ser uma regravação da música de mesmo nome do Monrose (cuja versão também é ótima), mas destruindo o sentido figurado sexual previamente criado e partindo prum literal, sobre… Estar calor. Na real, “Hot Summer” é meio que um dos maiores medalhões da onda sul-coreana de pegar demos internacionais, dar uma mexida aqui e ali, resultando em bubblegums laboratoriais espetaculares. ENTÃO BORA TODO MUNDO, COMIGO HEIN: RAT SAMA, A RAT RAT SAMAAAAA, RAT SAMA, A RAT RAT SAMAAAA…

– x –

Huh, acho que essa aqui numa posição tão alta vai surpreender alguns de vocês. A real é que “Twinkle Twinkle” é de longe o meu bagulho favorito do Girl’s Day em todos os tempos, na frente mesmo de “Something” e outros singles que fazem mais sucesso com a galera do ocidente. “Twinkle Twinkle” me é como uma explosão de alegria em forma de música, é daquelas que eu coloco pra ouvir sempre que sinto estar passando por algum momento difícil, pois consegue me dar forçar para seguir em frente. Ela provavelmente nem foi pensada com esse propósito, mas interpretações são sempre subjetivas e o modo como cada canção atinge um ouvinte é sempre diferente, variando de situação em situação. Os sintetizadores são bonitinhos demais, todos os versos são cativantes, o refrão é impossível de tirar da cabeça. Ouvi-la é como estar em um desenho animado. Só não é a faixa “mais feliz” de 2011 porque uma outra, lá no pódio, acaba ocupando essa posição, mas foi quase…

– x –

Essa aqui é um troço lindo, mágico, emocionante, tocante, que arrepia em toda sua confecção. O instrumental mesclando Dance eletrônico com elementos de Pop/Rock é como um soco no estômago. O refrão explosivo é capaz de jogar um gigante no chão. Já a letra desesperançosa sobre elas se acharem feias e isso não permitir que ninguém as ame, sem finais felizes, sem viradas saudáveis, me causa um gosto agridoce na boca. Quem disse que música Pop sempre precisa resultar em finais felizes? “Ugly” é, em muitos termos, a “melhor” música do segundo mini do 2NE1, admito isso. No entanto, não é a minha favorita. Então, novamente, aguardem o pódio…

– x –

Ain, Luneeeeiii, seu ridiculooooohhhh!!! Não acreditoo que tu colocou uma animesong na frente de vários hinos do capopeaaaaarrrhhhhjjggdsfsfsd!! Vou te mataaaaaarrrrrrnnncc!!” Devem ter dito mentalmente alguns de vocês, mas eu não estou nem aí para a pressão popular. Em 2011 eu estava num dos meus auges como otaco fedorento, viciado em “Naruto Shippuden” e essa opening com a animação do Sasuke e do Naruto se aproximando do abismo foi uma das que mais me marcou em tal época. Então, se desprendam dos preconceitos e tasquem play nesse jam emocionante e ultrassignificativo para toda uma geração de fãs chatos para um caralho da qual eu mesmo fiz parte. \o/

– x –

Morrendo antes do pódio, um dos grupos faves desse blogueiro. Deus do céu, que música viciante! QUE REFRÃO!! Lembro claramente de ficar ouvindo isso – e cantando errado – nos fones de ouvido em loop com uma colega minha na escola enquanto um professor de sociologia que odiávamos andava pra lá e pra cá, semanalmente, nos dois primeiros horários de aulas nas segundas-feiras. “Mirror Mirror” melhor remédio contra o sono, isso é cientificamente comprovado. Aliais, lembro também de escutá-la umas quatrocentos e sessenta e nove vezes seguidas quando fui para uma “sala do K-Pop” num AF da vida com uns amigos no final de 2011. Acho que foi mais ou menos nessa época que a cultura sul-coreana começou a ganhar bem mais espaço em eventos desse tipo. Na sala (ensurdecedora, com o som altíssimo e várias meninas berrando as letras), o povo dançava repetidas vezes essa aqui, as já citadas “Step”, “So Cool”, “Mr. Simple”, “Bubble Pop”, uns sucessos de outros anos, como “Lucifer”, “Gee”, “Sorry Sorry”, com uma outra de 2011, que virá lá no topo, sendo a mais pedida de todas. Ironicamente, nadinha do 2NE1 tocou, mesmo aquele tendo sido o ano auge delas. Será que o responsável por selecionar os clipes que passavam na TV de 20 polegadas era sone?

– x –

YAAAAAAAAAAAAAASSSSS!!!!! “I Am The Best” é uma farofa maravilhosa. É o tipo de coisa idiota e pretensiosa que tem tudo pra dar errado, mas acaba fazendo a volta e se tornando cult. A atitude delas na maneira que cantam por cima dos sintetizadores pesadíssimos, absurdamente, consegue vender a bobagem impraticável delas serem as minas mais fodonas da porra toda. Todos os versos são de uma marra impagável, só não grudando na cabeça mais do que essa desgraça de refrão. Na real, essa não é a melhor música do 2NE1. Não é a melhor música nem do mini. Digo isso levando em conta parâmetros técnicos e outras chatices do tipo. Só que o carisma de Dara e cia. em tudo é tão inacreditável (WTF a Minzy usando no MV um boné com uma piroca desenhada) e o pacote é tão bem desenvolvido que até acabo preferindo-a à outras mais ricas e interessantes do repertório das quatro. Enfim, maldito YG que conseguiu estragar algo tão promissor. Terceira melhor de 2011, sendo o segundo melhor K-Pop – mas o primeiro que me surge na cabeça quando quero mandar umas indiretas… :v

– x –

Sabe tudo o que eu disse parágrafos pra cima sobre “Twinkle Twinkle” ser uma explosão de alegria, que eu a utilizo para cavar ânimo em momentos difíceis e por aí vai? Então, multipliquem isso por mil, dois mil, cem mil, UM MILHÃO… Aí sim vocês conseguirão entender o poder de “Glitter”. A introdução disso aqui é descomunal. Não consigo nem imaginar como o Nakata conseguiu converter ao auditivo o que “brilhar” deve significar aos nossos olhos. Escutar esses sintetizadores com o trio cantando por cima é como se meu corpo instantaneamente fosse invadido por um arco-íris e minha mente fosse levada ao nirvana, imediatamente ao fim exigindo mais e mais, como numa dependência química. “Glitter” é o tipo de coisa que eleva a música Pop a um patamar ~artístico~ nada esperável para algo que, no núcleo, é feito para vender. Funciona justamente por romper os limites, mas ainda assim ser acessível ao povão. Nisso, o Perfume era genial. Melhor J-Pop de 2011.

– x –

“The Boys” estar no topo, inicialmente, me foi estranho. Quer dizer, nem é a melhor música do Girls’ Generation. “Gee” é melhor, “Genie”, “Run Devil Run”. Só que, quando penso em 2011, automaticamente o que me vem na cabeça como música assinatura de tal ano é isso aqui. Inevitavelmente. 2011 é todo mundo comentando esse comeback em comunidades do Orkut, no Twitter e no Facebook, 2011 são as trocentas versões em diferentes idiomas saindo uma atrás da outra e ficando melhores a cada ouvida, 2011 é o meme do voa flango, com a Jéssica soltando a pomba branca no início do MV, 2011 é a galera toda da sala de K-Pop que eu citei do AF fazendo a marchinha com a agachada sensual antes da bridge – menos eu, não faço essas coisas em público. “The Boys” foi a melhor e mais memorável coisa do asian pop sete anos atrás, acima de todas as outras grandes coisas que aconteceram nele ao começar a tomar proporções internacionais até se tornar a febre atual. Pra mim, “The Boys” é junção perfeita de conceito, instrumental, métrica, letra, melodia, coreografia e vídeo. Um clássico da onda hallyu e da música Pop mundial.

– x –

[50-38] [37-26] [25-11]

Sei que vocês sentirão falta de alguns troços coreanos aí, mas todos os que não apareceram ficaram na peneira ou por eu não escutá-los com tanta frequência quanto as que entraram, caso de “Cry  Cry”, do T-ara, “Goodbye Baby”, do miss A e da maioria dos trecos que o After School lançou através de units que não são o Orange Caramel, ou por eu legitimamente acha-los uma merda, caso de “Hands Up”, do 2PM. São as dores de fazer um top juntando K-Pop e J-Pop, a exigência fica maior. Malz aí.

Teoricamente, meu próximo passo é avançar uns anos na linha do tempo e retomar a minha lista de melhores de 2014, que acabou sofrendo com aqueles problemas de edição quando transferi o blog pro WordPress em janeiro. No entanto, vou esperar um pouco antes de soltá-la, para não encher o saco de vocês com isso de tops gigantes e tals. É preciso espaçar para que eles fiquem realmente interessantes.

No mais, me digam quais as suas 10 favoritas de 2011. Será que nossas opiniões divergem muito? A caixa de comentários está aberta.

E caso vocês tenham chegado aqui por meio de algum link divulgado em grupos de Facebook ou Twitter e gostem de descobrir sobre canções mais antigas dentro desse nicho, saibam que vários outros posts especiais relembrando lançamentos de outros anos já rolaram nesse blog. Vocês podem conferir eles em formato de tops para 2012, 2013, 2015 (só J-Pop, o de K-Pop se perdeu) e 2017, ou em formato de playlist para 2000, 2001, 2002, 2003, 2004 e 2005.

Anúncios

22 comentários em “TOP 50 | As melhores faixas do Asian Pop em 2011 (10ª até 01ª)

  1. Bubble Pop, I Am The Best e Hot Summer… Espero que um dia eu possa entender pq as pessoas gostam tanto dessas musicas (The Boys só ganhou graça comigo semana passada)

    1-Step
    2-Mr.Simple
    3-Glitter
    4-Hate You
    5-Be Mine

    Curtir

  2. Meu top 10:

    1 – Sixth Sense
    2 – Roly Poly
    3 – Step
    4 – Be Mine
    5 – I Am The Best
    6 – Bang (ver. coreana muito superior)
    7 – GNO
    8 – Hot Summer
    9 – Bubble Pop
    10 – The Boys

    E eu tirei Twinkle Twinkle da minha lista de músicas que com certeza iriam estar no top de última hora…

    Ficou sobrando essas 4:

    Cry Cry
    Love
    Shy Boy
    Hands Up
    Good bye Baby

    Hands Up ruim? Acorda Igor…

    Você vai mudar algo no top de 2014? Quero Truth em #1

    Curtir

  3. Meu top 10 seria

    1. The Boys
    2. Glitter
    3. Roly Poly
    4. Bang! (Coreano)
    5. STEP
    6. Sixth Sense
    7. Mirror Mirror
    8. Be My Baby
    9. Ugly
    10. Hands Up

    Eu sou muito saturado de I’m The Best, todas as outras músicas do mini são melhores. 2PM sempre foram meus amorzinhos, Hands Up encapsula muito aquela imagem estereotipada de festa que rolava muito em filmes universitários de besteirol, coisa muito popular na época.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s