Momoland tenta reprisar a magia de “Bboom Bboom” em “BAAM” (e consegue)

Momoland é um curioso caso de sucesso que me deixa bem feliz e esperançoso quanto ao cenário coreano de girlgroups como um todo. Elas debutaram naquela leva de line ups gigantescos pós-Twice, cuja maior preocupação, a priore, era passar uma imagem fofa catita e conquistar o público através disso. E como a grande maioria desses exemplares, acabaram falhando miseravelmente em suas várias tentativas.

Foi só esse ano que elas realmente aconteceram com a ótima Bboom Bboom, lá em janeiro, focando no que, justamente, não parece ser crucial em seu nicho, mas deveria: música. Os responsáveis por elas trataram de arrumar uma demo que grudasse não só por ser boa e divertida, mas também por não se parecer com quase nada do que suas coleguinhas fazem atualmente. O resultado? Sucesso absoluto, viral, ficando um tempão no top 10 e atingindo peak de #2 lugar.

Então, é bem aceitável elas tentarem reprisar essa magia agora em seu primeiro comeback pós-hit, com BAAM

Ainda mais com o resultado sendo tão bom quanto o que vemos acima.

Sei que, por sabe-se lá qual motivo, uma parcela ínfima do público capopeiro aqui do burajiru desenvolveu uma certa resistência ao Momoland – reflexo de uma também fatia internacional insignificante. Inclusive, no Twitter, estava rolando um vídeo comparando o instrumental do preview de “BAAM” com o de outras canções, como a própria “Bboom Bboom”, “Doom Doom Chitt”, do Crayon Pop, umas do EXID etc., acusando-as de plágio, sendo que todos os exemplares tinham a assinatura do mesmo produtor. Uma bobagem hilária vinda de uma geração que acha – equivocadamente – que há qualquer originalidade no K-Pop.

“BAAM” é sim uma cópia escarrada de “Bboom Bboom”. A mesma levada instrumental, melodias super parecidas. Gargalhei aqui quando entrou outro break de trap. Só que, meus caros, todos os grupos, sem qualquer exceção, fazem esse tipo de coisa. A cena coreana pop idol atual, numa totalidade, é formada por a) acts que requentam conceitos e sonoridades de outros atos mais antigos, que por si só já emulavam outros ocidentais ou japoneses e b) acts que vão direto à fonte e, em vez de se inspirarem tanto nos oppasunnies, se alinham com o que é trend nos charts internacionais para conversar com outros públicos. Ninguém inventou nada. E NÃO HÁ PROBLEMA NISSO!

O Momoland, nesse momento, ocupa o lugar que grupos como T-ara, Crayon Pop e Orange Caramel ocupavam anos atrás: o de ato que não se leva a sério demais, brinca com um pouco de humor e recorre à sonoridades europeias tidas como trash, focadas unicamente em divertir e não em “reinventar a roda”. E “BAAM” faz isso tão bem… É uma faixa tão gostosa, tão grudenta, tão envolvente, com replay factor tão alto. Pra mim, é um dos maiores destaques desse mês – assim como “Bboom Bboom” é fácil um dos maiores destaque desse ano.

Fico feliz por, com elas, existir a preocupação de agradar aos ouvidos, apostando em MÚSICAS e não só em cute concepts baits de fãs conservadores. Isso tá tão em falta hoje em dia que, por mais que elas só tenham três singles realmente bons (não se esqueçam de Freeze, huh), acaba colocando o Momoland como um dos grupos mais interessantes a serem acompanhados nessa geração. Não é só viralizar por causa de uma integrante (ou elas teriam estourado ano passado, né…), sim ser competente em se destacar musicalmente.

Essa album track também tá ótima.

DAY6 amanhã. Album review do SHINee ainda essa semana.

Anúncios

7 comentários em “Momoland tenta reprisar a magia de “Bboom Bboom” em “BAAM” (e consegue)

  1. Esse comeback está realmente sensacional!!! E as outras parecem estar aprendendo com JooE (olha essa múmia de papel higiênico kkk)

    Mas o mais surpreendente é que o EP tá legal!!! Já viram a Album Review de Fun to The World no Aquário Hipster?? https://aquariohipster.wordpress.com/2018/06/26/album-review-momoland-fun-to-the-world-ou-as-donas-do-hit-do-ano-voltaram-em-clima-de-copa-do-mundo-sera-que-baam-chega-aos-pes-de-bboom-bboom/

    Curtido por 1 pessoa

  2. Momoland tá sendo um dos atos mais legais de se acompanhar. Senti adaptação /evolução das meninas em relação ao conceito, diferente de Bboom bboom, que as meninas estavam desconfortáveis (menos a Jooe claro).

    Curtido por 1 pessoa

  3. Momoland teve um comeback melhor que Black Pink…
    O flop que só teve um hit até hoje teve um comeback mais agradável que o “novo 2ne1” de uma Big3 (não falo de números e sim de qualidade)
    O flop que geral tacava o foda-se até janeiro desse ano… É mais interessante que o girlgroup da Yg…

    A vida é engraçada as vezes né?

    Curtido por 2 pessoas

    1. Bom, acho que talvez, se o YG desse uma única foda pro Blackpink e fizesse um comeback de vez enquando ou tivesse a decência de criar algo novo pro comeback e não pegar demos old do 2ne1
      Talvez o Blackpink fosse um pouquinho mais interessante

      Porque no cenário atual, Blackpink é claramente um grupo jogado pra escanteio
      E não tem nem como competir com o quão interessante é Momoland agora

      Curtido por 1 pessoa

  4. É engraçado que, diferente dos outros grupos que requentaram músicas (Up&Down/Ah Yeah, Sorry Sorry/Bonamama, etc) Momoland não se preocupou nem em mudar o nome, Baam é claramente Momoland tentando repetir Boom Boom
    Até no nome de onomatopéia
    E até nisso elas acertam

    Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s